Planejamento Estratégico

Blog sobre Planejamento Estratégico Orientado a Resultados

Neste site você irá encontrar um amplo acervo de informações sobre Administração e Gestão. Você irá conhecer os principais modelos, métodos e teorias administrativas. Abaixo você pode conhecer os temas trabalhados, e os últimos artigos publicados de cada área Abaixo você pode conhecer os temas trabalhados, e os últimos artigos publicados de cada área.

Descubra tudo sobre empreendedorismo e inicie seu negócio

O que é empreendedorismo? Muitas pessoas não tem ideia do que seja empreender na prática, e para isso precisam saber algumas coisas importantes na hora de dar esse passo importante. Existem muitas boas intenções, mas o que atrapalha é a falta de planejamento.
Muitas empresas fecham prematuramente e isso poderia ser evitado caso os empresários tomassem algumas precauções antes mesmo da inauguração. Todo empreendedor deve levar em consideração a viabilidade da ideia, o produto deve ser algo novo no mercado e que possa ser usado por grande parte das pessoas.
Antes de investir, o futuro empresário deve estudar o mercado e identificar seus futuros clientes e suas necessidades e apresentar soluções reais, além de conhecer os serviços e preços praticados pela concorrência, assim poderá desenvolver um diferencial e se destacar no mercado.
Defina o capital inicial da empresa e evite complementar os recursos com empréstimos de banco, pois essa pode ser uma sentença de extinção da empresa. Ao calcular o capital inicial deve ser levado em consideração todos os recursos essenciais para o início das atividades, desde a compra de mercadoria até gastos com decoração.

Gastos da empresa vão além de aluguel, água e luz

Existem outros custos para um empreendimento como 13º de funcionários e o FGTS que devem ser levados em conta na hora de contratar, por exemplo. Tenha uma reserva de contingência para não ser pego desprevenido. Outra despesa importante para se levar em consideração é a carga tributária que recairá sobre o negócio.
Nunca misture as finanças pessoais das finanças da empresa. Tirar dinheiro do caixa para suprir contas pessoais ou comprar produtos para o estoque com cartão de crédito pessoal são péssimos exemplos de como lidar com as finanças, uma solução é definir o salário para os sócios de acordo com a lucratividade.

Livros, vídeos e cursos online podem ajudar a entender o empreendedorismo

É recomendável se capacitar na hora de abrir um negócio, como ler livros, fazer cursos e ver vídeos online. É preciso saber o básico sobre empreendedorismo, para perceber uma boa ideia, conseguir investimentos, gerenciar projetos, negociar, pensar estrategicamente e entender seu cliente.

Livros para se inspirar:

“The Hard Thing About Hard Things”, Ben Horowitz;
“Rápido e Devagar: Duas Formas de Pensar”, Daniel Kahneman;
“Criatividade S.A.”, Ed Catmull;
“O Jeito Disney de Encantar Clientes”, Disney Institute;
“How Google Works”, Eric Schmidt e Jonathan Rosenberg;
“Abílio – Determinado, Ambicioso, Polêmico”, Cristiane Correa;
“The Dip”, Seth Godin;
“Novos Negócios Inovadores e de Crescimento Empreendedor no Brasil”, Silvio Meira;
“The Road to Character”, David Brooks;
“Traction: A startup guide to getting customers”, Gabriel Weinberg, Justin Mares;
“Give and Take”, Adam Grant;
“Jab, Jab, Jab, Right Hook”, Gary Vaynerchuck.

Cursos e vídeos online

Aprender a empreender do Sebrae: o curso é destinado para quem quer iniciar um negócio, há conceitos de mercado, finanças e empreendedorismo, além do desenvolvimento de atitudes que compõem o perfil de um empreendedor.

Iniciando um Pequeno e Grande Negócio do Sebrae: as aulas têm como objetivo transmitir princípios, fundamentos e práticas de empreendedorismo úteis para abrir pequenos negócios.

Curso Online de Plano de Negócios da iPED: o objetivo do curso do Instituto Politécnico de Ensino à Distância (iPED) é ensinar a elaborar a apresentação do seu negócio em todos os aspectos: atividades, mercado, financiamento, recursos, fluxo de caixa e lucro.


Categoria: Artigos | 05.março.2017 | sem comentários | Comentar



Cinco tendências para empresários terem mais tempo

Quem trabalha conectado globalmente, muitas vezes, em empresas multinacionais ou mesmo na gestão de um negócio de sucesso, sabe que as 24 horas de um dia são insuficientes para realizar todas as tarefas, não somente as do trabalho.

Por isso, uma tendência que vem se consolidando nas grandes capitais é a de otimização do tempo, deixando afazeres mundanos de lado e focando em atitudes que rendem mais no pouco tempo que você tem à sua disposição.

Invista nos flats

Esse tipo de moradia (temporária ou permanente) já é tendência, e você já encontra um flat em São Paulo dentro desse segmento, assim como em outras grandes metrópoles. Por ser a capital dos grandes investimentos, a cidade paulista já se atentou para essa tendência e divulga cada vez mais os benefícios dela.

Em um flat totalmente mobiliado e equipado, o empresário não precisa se preocupar com lavanderia, com serviços como academia e personal trainer ou com as refeições – que podem contar com serviços de delivery exclusivo ou colaboração na hora das compras.

Serviços à disposição

Alguns flats do estilo “Apart Hotel” contam com restaurantes e cafés, trazendo ainda mais comodidade. Sem a preocupação com os afazeres domésticos – já que os flats podem agregar serviço de limpeza – sobra tempo para investir nas finanças pessoais, cursos que tragam benefícios profissionais, ampliação dos estudos e investimento na saúde mental e física, sem desgaste com situações mundanas e cotidianas.

Aplicativos inteligentes

Tenha um aparelho equipado suficiente para realizar as tarefas financeiras para você. Isso poupará tempo e você conseguirá manter sua rotina financeira pessoal organizada.

Tempo livre de qualidade

Dedicar 100% do tempo à empresa é prática comum para pequenos e médios empresários. Analise a gestão atual da sua empresa, quem trabalha para quem? Quem é o primeiro a chegar e o último a sair? Se você trabalha mais que todos os seus funcionários e precisa pensar em todos os detalhes, você não tem um negócio, tem um emprego. Repense. Tenha tempo livre, esteja conectado e atento, mas não renegue sua vida social e os momentos de lazer.

Estude, se aprimore, leia

Não deixe para ler nas férias ou nas folgas, leia sempre que puder, relacionado ou não à profissão. O empresário de sucesso está sempre conectado, e toda a bagagem que ele irá adquirir será importante; deixe as finanças de lado, por exemplo, e leia um clássico. Essa rotatividade de assuntos melhora sua concentração e sua bagagem.




O que é BPMN e porque pode ajudar sua empresa

business process management software

O que significa BPMN?

BPMN (Business Process Model and Notation), ou o inglês de Modelo de Processo de Negócios e Notação, é um método mapeamento de fluxos de trabalho de negócios. Os passos são representados por formas de tabelas e símbolos especializados. Similar ao fluxograma, é mais focado em prover um jeito útil e natural de gerenciar fluxos de trabalho complexos. Isso pode incluir fatores internos e externos que contribuem para as operações de uma empresa.

Ao usar BPMN, os supervisores são capazes de ganhar um melhor entendimento das operações internas e mais conhecimento em relação às contribuições de participantes específicos. Stakaholders possuem restrições em gerenciamento, então a comunicação clara e rápida é essencial. BPMN é uma das melhores formas de implementar um método de fluxos compartilhados de processos.

 

Componentes do BPMN

Um modelo de processo de negócios pode ser reduzido a 4 partes principais: eventos, atividades, entradas e conexões. As especificações destes componentes podem, entretanto, variar de acordo com o contexto e com a funcionalidade.

  • Evento: Um evento é exatamente o que parece ser – algo que acontece. Eventos em um software BPMN são representados por um círculo, e qualquer imagem no interior deste círculo especifica o tipo do evento.
  • Atividade: Um retângulo com pontas arredondadas representa atividade, que é o trabalho a ser feito. Por exemplo, uma tarefa ou uma transação é uma atividade.
  • Entradas: Possuem o formato de diamante e são usadas para representar os diferentes caminhos que podem ser escolhidos a depender das condições apresentadas.
  • Conexões: Os objetos são conectados com algum destes três tipos de conexão:
    1. Fluxo de sequência: Utiliza a seta usada em fluxogramas. A direção da seta aponta para a ordem em que as atividades são executadas.
    2. Fluxo de Mensagem: Representada por uma linha tracejada com um círculo aberto no começo e uma seta ao final, mostra quais mensagens transpassam os limites organizacionais.
    3. Associação: É representada por uma linha pontilhada e conecta textos e artefatos a uma atividade, evento ou entrada. Artefatos são conectados por associações, assim os desenvolvedores podem incluir mais informações na forma de dados de objetos, grupos e notas.

Por fim, as ferramentas oferecidas por uma plataforma BPMN pode ajudar a ilustrar as atividades essenciais realizadas por uma empresa e eliminar ineficiências.




Como Elaborar, Utilizar e Monitorar Itens de Controle no Gerenciamento da Rotina

Especialistas afirmam que a melhoria da qualidade dos serviços prestados requer, necessariamente, o aprimoramento da gestão organizacional. Entretanto, existem vários obstáculos que impedem o atingimento desse objetivo.

Entre outros podemos citar:

• Ausência de foco no cliente;
• Inexistência de objetivos claros, bem definidos e disseminados;
• Processos e atividades não documentados e otimizados;
• Funcionários e unidades não conhecem bem suas atribuições;
• Funcionários não conhecem o papel da instituição;
• Funcionários não estão capacitados para executar suas atividades;
• Funcionários não participam nos processos, ações e soluções dos problemas;
• Inexistência de formas de medir e avaliar constantemente processos para poder melhorá-los continuamente;
• Decisões e ações não são constantemente avaliadas e, por isso, não realimentam correções;
• Informações não circulam de maneira rápida e correta entre setores e funcionários;
• Inexistência de uma preocupação constante com inovação e mudança.

A conseqüência dessa maneira de gerenciar é a prestação de serviços que não atendem as necessidades dos clientes.

Definindo Itens de Controle – Processo

Os passos necessários para definir, utilizar e monitorar Itens de controle são:

• Identificar e descrever a Unidade de Gerenciamento (UG);
• Listar recursos;
• Enumerar insumos e fornecedores;
• Relacionar produtos/serviços e clientes;
• Listar os processos importantes;
• Mapear os processos;
• Realizar ajustes imediatos nas relações da UGB – fornecedores e UGB – clientes;
• Estabelecer metas para os Itens de Controle da Qualidade (ICQ);
• Padronizar como será controlada a efetividade do processo;
• Identificar os Itens de Verificação da Qualidade (IVQ);
• Padronizar cada processo importante: desenhar o fluxograma, elaborar o Procedimento Operacional Padrão (POP); e identificar o responsável pelo processo;
• Adequar a estrutura, recursos e organização da UGB para desenvolver as atividades dos processos importantes;
• Capacitar funcionários que atuam nos processo importantes para que eles possam elaborar os POP e acompanhar o desempenho dos ICQ;
• Gerenciar a efetividade do processo mediante a coleta e processamento de dados, e, apresentação gráfica;
• Comparar dados coletados com metas fixadas para os ICQ.

Faça download da Apostila de Gerenciamento da Rotina (500kb) para conhecer em detalhes cada uma destas etapas aqui descritas.




Elaborando Indicadores – Principais Atributos dos Indicadores

Para que os indicadores se tornem viáveis e práticos, devem possuir alguns atributos especiais.

Adaptabilidade – capacidade de resposta às mudanças de comportamento e exigências dos clientes. Os indicadores podem tornar-se desnecessários ao longo do tempo e devem ser imediatamente eliminados ou substituídos por outros de maior utilidade.
Representatividade – captação das etapas mais importantes e críticas dos processos, no local certo, para que seja suficientemente representativo e abrangente. Dados desnecessários ou inexistentes não devem ser coletados. Em contrapartida, dados importantes devem ser precisos, atender aos objetivos e ser buscados na fonte correta. Este atributo merece certa atenção, pois indicadores muito representativos tendem a ser mais difíceis de ser obtidos. Deve-se, portanto, haver um certo equilíbrio entre a representatividade e a disponibilidade para coleta.
Simplicidade – facilidade de ser compreendido e aplicado tanto pelos executores quanto – e principalmente – pelos que receberão seus resultados. Os nomes e expressões devem ser conhecidos e entendidos por todos os envolvidos de forma homogênea, garantindo ampla validade por toda a organização.
Rastreabilidade – facilidade para identificação da origem dos dados, seu registro e manutenção. Sempre que possível, deve-se transformar os resultados em gráficos para um acompanhamento mais preciso, o que permite a comparação com desempenhos anteriores.
Disponibilidade – facilidade de acesso para coleta, estando disponível a tempo, para as pessoas certas e sem distorções, servindo de base para que decisões sejam tomadas. De nada adiantaria informações atrasadas e desatualizadas, embora corretas, ou informações atuais e corretas, mas para a pessoa errada.
Economia – não deve ser gasto tempo demais procurando dados, muito menos pesquisando ou aguardando novos métodos de coleta. Os benefícios trazidos com os indicadores devem ser maiores que os custos incorridos na medição. Caso contrário, em pouco tempo a organização estará medindo sua própria falência.
Praticidade – garantia de que realmente funciona na prática e permite a tomada de decisões gerenciais. Para isso, deve ser testado no campo e, se necessário, modificado ou excluído.
Estabilidade – garantia de que é gerado em rotinas de processo e permanece ao longo do tempo, permitindo a formação de série histórica.

É fundamental que os indicadores sejam direcionados para a tomada de decisões gerenciais voltadas para a solução dos problemas apontados, servindo de base inclusive para a revisão de metas já estabelecidas. Por isso, os indicadores não podem agregar mais trabalho no dia-a-dia nem tempo excessivo para serem coletados e obtidos. Assim, devem ser representativos para os processos e atividades, levando a análises e melhorias da forma mais prática e objetiva possível.




Página 1 de 2112345...1020...Última »