Resumo do Livro: Vantagem Competitiva – Michael Porter



Cada empresa possui suas peculiaridades, tanto em produtos com em serviços, cada uma com o seu diferencial para conquistar o mercado alvo, sendo assim é o que faz os consumidores comprar seus produtos e serviços ao invés de comprar na concorrência. Para Oliveira (2007, p.222), “vantagem competitiva é aquele algo mais que identifica os produtos e serviços e os mercados para os quais a empresa está efetivamente, capacitada a atuar de forma diferenciada”. Cada empresa possui suas peculiaridades, tanto em produtos com em serviços.
A estratégia torna-se importante para a empresa, porquanto cria uma posição de defesa e ataque da organização frente às ameaças e oportunidades do ambiente interno e externo.
Conforme explica Zaccarelli (2000, p.91) “concorrência é uma palavra que salienta aspectos negativos, enquanto a expressão vantagem competitiva remete aspectos positivos – tendo um oposto bem claro, a desvantagem competitiva”. As organizações não devem agir como se fosse a única em seu segmento ou como se tivesse um público exclusivo a ela. Os concorrentes estão presentes no mercado, embora traga desconforto para algumas empresas, também acaba criando vantagens competitivas para as empresas.
No mercado, cada vez mais surgem novos grupos de consumidores e de ocasiões de compra; com a evolução da sociedade, aparecem novas necessidades, criam-se novos canais de distribuição, desenvolvem-se novas tecnologias, novos equipamentos e sistemas de informação se tornam disponíveis. (PORTER, 1999).
As empresas precisam estar atentas as novas tecnologias e as novas tendências de mercado, para que assim as empresas não percam seus clientes, muito menos a sua fatia no mercado.
O sucesso da empresa está realmente relacionado à vantagem competitiva, cada empresa possui sua própria estratégia, essa estratégia é a que leva ao sucesso ou até mesmo ao fracasso da empresa. Zaccarelli (2000, p 92), afirma que “existem vários tipos de vantagem competitiva, cada qual com uma natureza peculiar, os que os torna muito diferentes entre si, apesar de todos levarem à mesma conseqüência – o sucesso da empresa”.
As empresas que adquirem ou já possuem o tipo de vantagem competitiva por ter a preferência dos clientes, estão à frente do mercado altamente competitivo, pois os consumidores estão cada vez mais exigentes preferindo os produtos de qualidade.
O autor cita alguns três tipos de vantagens competitivas, segundo Zaccarelli (2000, p 92) afirma que:

Vantagem competitiva por ter a preferência dos clientes: essa vantagem refere-se ao fato do produto ter a preferência dos clientes sobre os produtos das empresas concorrentes nas condições de mercado. O correto é o cliente preferirem nossos produtos por seus aspectos positivos e superiores.
Vantagem competitiva por diferenciação no negocio: é quando uma empresa obtém vantagem sobre os concorrentes ao mudar a forma de negociar com fornecedores sem alterar o produto.
Vantagem competitiva pela existência de talentos especiais na empresa: é transcorre de pessoas com grande capacidade de talento é essencial, para que o talento das pessoas efetivamente resulte em vantagem competitiva, é preciso que elas atendam a um conjunto de condições que só costumam se verificar em quem tem, além de participação nas operações internas da empresa, relacionamento direto com o ambiente externo.


As empresas se desenvolvem a partir do momento que passa a conhecer seu ambiente. O ambiente externo passa por incessantes mudanças, essas mudanças influenciam diretamente as empresas e suas estratégias, por isso é necessário que as organizações se modifiquem conforme o surgimento de novas estratégias e tecnologias.
A seguir, apresenta-se a figura 2 como um dispositivo para a articulação dos aspectos básicos da estratégia competitiva. No centro da roda estão as metas da empresa, que são sua definição geral do modo como ela deseja competir e seus objetivos econômicos e não econômicos. Os raios da roda são as políticas operacionais básicas com as quais a empresa busca atingir estas metas. (PORTER, 1991).

A roda estratégia competitiva – Fonte: Porter (1991, p.17)

A estrutura da empresa tem uma forte influência na determinação das regras competitivas do jogo, assim como das estratégias potencialmente disponíveis para a empresa. Forças externas em geral afetam todas as empresas, o ponto básico encontra-se nas diferentes habilidades das empresas em lidar com elas.
Segundo Porter (1999) o estado de competição num setor depende de cinco forças que estão no diagrama da figura 3. A potência coletiva dessas forças determina, em ultima instância, as perspectivas de lucro do setor.

Forças que governam a competição num setor – Fonte: Wikipédia, 2018


É necessário avaliarmos as cinco forças de Porter, para que a empresa possa identificar quais as ameaças de novos entrantes, poder de negociação dos clientes, ameaças de produtos ou serviços substitutos, poder de negociação dos fornecedores e as manobras pelo posicionamento entre os atuais concorrentes. Porter (1999, p.28) afirma que, “independentemente da potência coletiva, o objetivo do estrategista empresarial é encontrar uma posição na qual a empresa seja capaz de melhor se defender contra estas forças ou de influenciá-las em seu favor”.
Nos estudos de Porter (1999) diz que após avaliar as forças que influenciam a competição no setor e as respectivas causas, o estrategista empresarial tem condições de identificar os pontos fortes e fracos da empresa. Os pontos fortes e fracos cruciais, visto sob o ângulo estratégico, são as posturas da empresa com relação às causas de cada força.
Assim a concorrência em uma empresa tem raízes em sua estrutura econômica básica e vai bem além do comportamento dos atuais concorrentes.
É interessante a empresa possuir um bom relacionamento com fornecedores, sendo assim a empresa possa obter vantagens, tendo ótimas negociações e preços mais acessíveis.
Segundo Porter (1999, p 37),

As opções da empresa em relação aos fornecedores ou aos grupos de compradores devem ser encaradas como decisões estratégicas cruciais. A empresa é capaz de melhorar sua postura estratégica descobrindo fornecedores ou compradores que disponham do menor poder de afeta-la de forma negativa.



Comente





Posts Relacionados

  • Modelo de 5 Forças de Michael PorterModelo de 5 Forças de Michael Porter Maximiano (2006) afirma que "o entendimento das forças competitivas de um ramo de negócios é fundamental para o desenvolvimento da estratégia". Assim, Serra, Torres e Torres (2004) afirmam […]
  • Diferenciação de produtos e serviços: dica para negóciosDiferenciação de produtos e serviços: dica para negócios O momento parece propício para propor a diferenciação de produtos e serviços e, conquistar o cliente pelas características únicas do seu negócio. Se por um lado, pode afastar propects que […]
  • Análise do Ambiente Competitivo GlobalAnálise do Ambiente Competitivo Global Maximiano (2006) define que "o entendimento das forças competitivas de um ramo de negócios é fundamental para o desenvolvimento da estratégia". E para Serra, Torres e Torres (2004), uma […]
  • Matriz BCGMatriz BCG Segundo Daft (2005), para se começar um negócio deve-se analisar uma estratégia que envolva toda a organização, chamada de estratégia de portfólio, que visa criar sinergia (uma área de […]
  • Análise Política e Legal do Ambiente ExternoAnálise Política e Legal do Ambiente Externo De acordo com Churchill (2000), uma organização não funciona apenas de acordo com seu próprio conjunto de regras, ela deve servir aos seus clientes e atender às demandas governamentais, […]
  • Segmentação de Mercado InternacionalSegmentação de Mercado Internacional Churchill (2003) afirma que as organizações podem dividir seu mercado total em segmentos, ou partes. Com base nesta divisão, a emprea decide qual(is) destes segmentos vai servir, e como […]