A evolução da Estratégia

Categoria: Módulo I - Conceitos | 03.06.2008 | sem comentários



Confira partes deste excelente artigo, publicado na revista inglesa “The Economist“, uma das principais publicações de negócios no mundo, em 1997:

Uma pesquisa recente da Associação das Firmas de Consultoria Gerencial descobriu que empresários, acadêmicos e consultores prevêem que a estratégia dos negócios será o tema gerencial mais premente nos próximos cinco anos.

Pedir a um teórico que defina estratégia é o mesmo que pedir a um filósofo que defina o que é a verdade. Mas a estratégia trata, basicamente, de duas coisas: decidir para onde você quer que a sua companhia vá, e, então, como você quer conduzí-la até lá. Nos anos 70, muitas empresas confiavam ainda no “Plano Estratégico Anual” elaborado por um departamento especializado. Isso não durou muito. Delegar decisões dessa ordem a pessoas estranhas ao chão da fábrica não era uma boa maneira de gerar novas idéias em indústrias em rápida mutação.

O desaparecimento dos departamentos de planejamento estratégico não eliminou, porém, a necessidade da estratégia. Uma companhia está bem aconselhada quando sabe para onde está indo e a busca pela estratégia sem o planejamento estratégico levou as empresas a direções exóticas (definições de missão, “visionamento”, etc.). Aí pode estar o motivo pelo qual assistimos, no ano passado, uma fuzilada de artigos tentando redefinir o que significa estratégia.

Michael Porter, professor na Harvard Business School, argumenta que estratégia diz respeito a achar uma posição no mercado que melhor se ajuste às competências de uma organização. Mas num artigo que suplantou por estreita margem o do Sr. Porter, para ganhar o prêmio McKinsey de melhor artigo do ano da revista Harvard Business Review, Gary Hamel, professor na London Business School, sugeriu que estratégia significava decidir como será o futuro de um determinado mercado e então estender as habilidades da organização de modo a obter vantagens daquele mercado.

Visto dessa forma, a teoria do Sr. Hamel soa um pouco, digamos, teórica. Imaginar mercados futuros é muito bom no Vale do Silício, mas como diferenciar a visão do futuro de uma fábrica de ração canina das outras? E é sob esta ótica que este site irá se basear, principalmente, na estratégia pela visão de Michael Porter.



Comente





Posts Relacionados

  • Planejamento de TecnologiaPlanejamento de Tecnologia Maximiano (2006) define tecnologia, de maneira geral, como a aplicação de conhecimentos para resolver problemas. Isto inclui desde atividades básicas, como o processo de transformação do […]
  • A pesquisa de clima e o planejamento estratégicoA pesquisa de clima e o planejamento estratégico Na hora de desenvolver a pesquisa de clima organizacional dentro da organização, um ponto muito importante é analisar a relação entre o clima organizacional e os resultados e objetivos que […]
  • Elaborando Indicadores – Visão EstratégicaElaborando Indicadores – Visão Estratégica O que é A visão estratégica da organização expressa a percepção que ela tem do seu passado, do seu momento atual e do direcionamento do seu futuro. Por meio dela, a organização expressa o […]
  • Elaborando Indicadores – Visão de FuturoElaborando Indicadores – Visão de Futuro O que é A visão de futuro define o que a organização pretende ser no futuro. Ela incorpora as ambições da organização e descreve o quadro futuro que a organização quer atingir. Para que […]
  • ProjetosProjetos Existe um caso da definição das operações da empresa, através de rotinas e procedimentos-padrão, que são necessários para o fornecimento contínuo de produtos e serviços, padronizados, e […]
  • Realização de LucrosRealização de Lucros O conceito de realização de lucros é extremamente difícil de mensurar, não existe uma regra, e é de extrema importância, pois você esta nesse mercado para lucrar. Então faremos uma breve […]