Custos Fixos e Variáveis na Agropecuária



Todas as despesas e gastos mensuráveis necessários para a produção agropecuária devem ser considerados na determinação do custo de produção.

A seguir, são relacionados os itens que compõem o custo de produção do gado de corte.

 

a.          Mão-de-obra

Devem ser considerados os gastos com mão-de-obra contratada, encargos sociais, assistência (agronômica, contábil, veterinária, zootécnica), consultorias ocasionais, mão-de-obra eventual, mão-de-obra familiar, além de outras.

No caso da mão-de-obra familiar que trabalha na atividade e não recebe um salário, deve-se computar um valor correspondente ao de um trabalhador que desenvolveria a mesma função.

 

b.          Alimentação

Devem ser considerados os gastos com todos os tipos de alimentos (grãos, farelos, aditivos, capineiras, pastagens, fenos, silagens, núcleos, suplementos, minerais, etc.)

 

c.           Sanidade

São exemplos de itens que se enquadram neste grupo de despesa: água oxigenada, agulhas para aplicação de medicamentos, álcool, anestésicos, antibióticos, antiinflamatórios, antimastíticos, antitérmico, antitóxicos, bernicidas, carrapaticidas, cat gut, complexos vitamínicos e minerais, formol, hormônios, mata-bicheiras, vacinas, seringas, vermífugo e outros.

                 

d.          Insumos modernos

 

Consideram-se os gastos realizados pelos produtores na aquisição de sementes, fertilizantes e de defensivos, cujas quantidades variam em função das recomendações técnicas para cultura e de acordo com o nível de tecnologia adotado;

 

e.          Reprodução

 

Devem ser considerados os gastos com sêmen e aplicador, bainhas, luvas, nitrogênio líquido e pipetas.

 

f.            Impostos

 

Devem ser computados os impostos cujos valores independem da quantidade de carne produzida. Impostos como IPVA (Imposto de Propriedade de Veículos Automotores) e territorial rural (ITR) devem ser considerados.

 

g.          Despesas Diversas

 

Como despesas diversas, deverão ser registrados os itens que não se enquadram nos grupos acima. Como exemplo, podem-se citar: brincos (identificação), combustível, contribuição rural, material de escritório, encargos financeiros (juros), energia elétrica, frete / carreto, horas de trator, alguns impostos que variam em função da quantidade de carne produzida

(PIS, COFINS, IRPJ,…), lubrificantes, materiais de limpeza, reparo e manutenção (de benfeitorias, de equipamentos, de máquinas e de veículos), taxas (associação de produtores, por exemplo).

 

 

h.          Depreciação

 

A depreciação é o custo necessário para substituir os bens quando esses se tornam inúteis pelo desgaste físico ou obsoletismo. Representa a reserva em dinheiro que a empresa faz durante o período de vida útil provável do bem (benfeitorias, animais destinados à reprodução e serviços, máquinas, implementos, equipamentos etc.), para sua posterior substituição.

A depreciação é usada para estimar a perda de valor de todo bem com vida útil superior a um ciclo produtivo. Somente têm depreciação os bens que possuem vida útil limitada; portanto, a terra não tem depreciação. 



Comentários

  1. Mário disse:

    Pela lógica de remuneração na seção a) O dono de uma farmácia, restaurante, sorveteria, boutique, etc., que trabalhe atendendo o público como vendedor deve receber ao final do mês um salário de vendedor e não um Pro labore (que na maior parte das vezes é muito mais do que o salário do vendedor). Pois bem, porque um agricultor familiar merece menos se ele também é o dono do negócio??? Na agricultura familiar a praxe é contabilizar os gastos da família com alimentos comprados, alimentos produzidos e consumidos na propriedade, remédios, gastos com educação, transporte, vestuário, lazer, energia elétrica, telefone, etc., como uma aproximação do pro labore familiar.

  2. Ele não merece mesmo. Se ele é agricultor familiar e trabalha no dia-a-dia da fazenda, deve ser remunerado como tal.

    Mas o que acontece de praxe é misturar as informações. Na verdade o que precisa é haver um controle destas informações.

    Se o agricultor vai usar o dinheiro do caixa para suas contas pessoais, deve ter um controle separado do restante dos custos da fazenda, e este dinheiro deve estar numa conta que tenha a ver com a retirada dos sócios.

Comente





Posts Relacionados

  • Custos e Despesas na AgropecuáriaCustos e Despesas na Agropecuária Acreditamos ser oportuno um rápido comentário sobre a diferença entre custo da cultura e a despesa do período para a atividade agrícola. Por convenção, e para facilitar a comunicação deste […]
  • Controles Econômicos dos Custos AgropecuáriosControles Econômicos dos Custos Agropecuários Para entendermos melhor como realizar o controle econômico dos custos de nossa empresa rural, é necessário inicialmente classificarmos as principais modalidades de entradas e gastos […]
  • Administração Financeira RuralAdministração Financeira Rural Quando completou o segundo grau, seu avô, já com idade avançada, ofereceu a ele a possibilidade de cuidar de sua fazenda. Quando João se deparou com o escritório de seu avô, encontrou […]
  • Como calcular a depreciaçãoComo calcular a depreciação O método mais simples de calcular a depreciação de um bem consiste na sua desvalorização, durante a sua vida útil, de forma constante. É o chamado método linear. A seguinte fórmula pode […]
  • Controles Financeiros RuraisControles Financeiros Rurais O objetivo primordial dos controles financeiros é a obtenção de dados mínimos necessários para a gestão de uma empresa rural, possibilitando com isto determinar possíveis faltas de […]
  • Contas a Receber em uma fazendaContas a Receber em uma fazenda Contas a receber são os documentos gerados de uma venda a prazo para clientes da empresa rural que podem ser em forma de boleto bancário, duplicata ou qualquer documento que conste o nome […]