Administração de Restaurantes – Algumas ideias



O ramo de gastronomia está crescendo significamente, temos de dona de casa que oferecem marmitex, restaurantes que servem prato feito e marmitex até grandes restaurantes de luxo que servem os mais diversos tipos de pratos para o público de maior poder econômico.
Tanto a dona de casa como os restaurantes, seja grande ou pequeno, necessitam ser administrado.
São vários os motivos, além de se alimentar, pelo qual as pessoas vão até um restaurante, muitas vão para encontrar amigos, estreitar relacionamento com pessoas do trabalho, pequenas reuniões de trabalho, para comemorar uma data ou acontecimento. Na maioria, os restaurantes possuem um ambiente familiar.
Para Medeiros (2005, p.19),

A escolha do consumidor está, além da preferência pelo sabor e rapidez no atendimento, relacionada à segurança alimentar, ou seja, à preservação dos princípios de higiene e limpeza ba preparação e manipulação dos alimentos, da qualidade dos insumos aplicados, dos equipamentos utilizados, do ambiente de trabalho e especialmente daqueles cuidados perceptíveis aos olhos dos clientes.


Segundo Biosca apud Venturi e Lenzi (2004, p.2)

As empresas de restaurantes têm como característica, assim como a grande maioria de outros negócios, iniciarem de forma empírica e familiar. Geralmente são pequenas unidades, algumas depois evoluem, outras não tem o mesmo êxito, entretanto elas costumam fazer parte de um complexo jogo de poder e realizações familiares.


Para que as pessoas freqüentem este estabelecimento é necessário que os administradores criem estratégias para satisfazer seus clientes, além de oferecer qualidade e bom atendimento, também é importante ser um local agradável e seguro, agregando valor aos produtos e serviços oferecidos.
Maricato apud Medeiros (2005, p.17) diz que:

No Brasil, um dos fatores que ampliou a procura dos serviços de restaurantes foi a criação do Plano de Alimentação dos Trabalhadores que viabiliza os vales-refeição a empregados, tendo acima de 240 mil estabelecimentos sob convênio, incluindo-se não só restaurantes, mas todos os estabelecimentos fornecedores de alimentos. Por necessidade ou lazer, é crescente a demanda por serviços de alimentação aumentando, conseqüentemente, o número de estabelecimentos alimentícios.

É notável a quantidade de restaurantes que abrem, isso ocorre em conseqüência do aumento de clientes que analisam qualidade, preço, atendimento, variedades de pratos, limpeza, dentre outros, o melhor ambiente para freqüentar, o restaurante que melhor atender as exigências do cliente o ganha.
A empresa precisa estar preocupada em atender sempre melhor, sem esquecer de oferecer a melhor qualidade e higiene do local e utensílios.

Com a falta de literatura específica sobre o tema, estes foram os dois artigos que serviram de base para a elaboração destas ideias, mas o assunto precisa ser estendido.

MEDEIROS,Antonio Fernandes de. Sistema de controle administrativo e de gestão econômico-financeira de restaurantes de pequeno porte do tipo self-service.Florianópolis, UFSC, 2005.

VENTURI, James Luiz; LENZI, Fernando Cezar. Administração empreendedora aplicada em restaurantes turísticos na cidade de Ipanema, litoral norte de Santa Catarina. Revista Eletrônica de Turismo, v.3, n.2, 2004.



Comente





Posts Relacionados