Modelo de 5 Forças de Michael Porter



Maximiano (2006) afirma que “o entendimento das forças competitivas de um ramo de negócios é fundamental para o desenvolvimento da estratégia”.
Assim, Serra, Torres e Torres (2004) afirmam que a análise do ambiente externo pode ser realizada por meio do modelo de cinco forças da competitividade, desenvolvido por Michael Porter na década de 70.
O modelo possibilita analisar o grau de atratividade de um setor da economia. Este modelo identifica um conjunto de cinco forças que afetam a competitividade, dentre os quais uma das forças está dentro do próprio setor e os demais são externos.
Ou, como afirma Aaker (2007), “a atratividade de um segmento ou mercado, medida pelo retorno de longo prazo sobre o investimento de uma empresa média, depende, em grande parte, dos cinco fatores que influenciam a lucratividade”.

Modelo de 5 Forças de Michael Porter

Figura 8 – Representação gráfica do modelo de cinco forças de Michael Porter.
Fonte: WIKIPEDIA, 2007

Vamos agora à explicação detalhada do que representa cada uma das forças competitivas.

Rivalidade entre concorrentes

Serra, Torres e Torres (2004) afirmam que “a rivalidade entre concorrentes pode ser considerada a mais significativa das cinco forças”.
Nesta dimensão, deve-se considerar a atividade e agressividade dos concorrentes diretos. Quando diz-se concorrente direto, refere-se a empresas que vendem o mesmo produto, num mesmo mercado que a organização em questão.
Mas esta não é e única força a pressionar a competitividade das organizações, então vamos para as próximas forças.

Barreiras à entrada de concorrentes

Além de ser necessário observar as atividades das empresas concorrentes, a ameaça da entrada de novos participantes depende das barreiras existentes contra sua entrada, além do poder de reação das organizações já estabelecidas. (SERRA, TORRES e TORRES, 2004)
Estas barreiras seriam fatores que dificultam o surgimento de novas empresas para concorrerem em determinado setor. Segue agora algumas das principais barreiras a serem analisadas:
– Economia de Escala: atrapalha a entrada de novos concorrentes, pois as empresas que já produzem grandes quantidades podem reduzir custos, e novas empresas, que tenham que começar a vender pouco para depois crescer, possuem desvantagem de custos;
– Capital Necessário: outra restrição financeira, mas aqui refere-se à necessidade de capital para realizar os investimentos iniciais para a instalação do negócio. É um dos fatores mais relevantes para impedir o surgimento de novas empresas em um setor;
– Acesso aos canais de distribuição: se os canais de venda forem limitados, quanto mais as empresas atuais estiverem bem relacionadas (contratualmente) com os canais, menores as chances de novas empresas ganharem espaço.

Poder de barganha dos compradores

O poder de barganha dos compradores pode ser traduzido como a capacidade de barganha dos clientes para com as empresas do setor.
Esta força competitiva tem a ver com o poder de decisão dos compradores sobre os atributos do produto, principalmente quanto a preço e qualidade.
Assim, os compradores têm poderes se:
– As compras do setor são de grande volume;
– Os produtos a serem comprados são padronizados, e sem grande diferenciação;
– As margens de lucro do setor são estreitas;
– A opção de o próprio comprador fabricar o produto é financeiramente viável.
Estas são então algumas das características a se observar quando analisando o poder de barganha dos compradores.

Poder de barganha dos fornecedores

Já quando abordado o poder de barganha dos fornecedores, será uma ótica semelhante à barganha dos compradores, mas agora voltada ao fornecimento de insumos e serviços para a empresa.
Os fornecedores têm poder de barganhar quando:
– o setor é dominado por poucas empresas fornecedoras;
– os produtos são exclusivos, diferenciados, e o custo para trocar de fornecedor é muito alto;
– o setor de negócios em questão não tem representatividade no faturamento deste fornecedor.
Com estas questões em vista, cabe a empresa identificar a atual relação da empresa com seus principais fornecedores.

Bens Substitutos

Os bens substitutos representam aqueles que não são os mesmos produtos que o seu, mas atendem à mesma necessidade. Segundo Aaker (2007), não competem com a mesma intensidade que os concorrentes primários (mesmos produtos, mesmos mercados), mas ainda são relevantes
Aaker (2007) apresenta os sistemas de alarme eletrônico como substitutos para o mercado de vigilância, ou o e-mail como substituto dos Correios. Substitutos que mostram uma melhoria na relação custo/benefício, e quando os custos de substituição para o cliente são mínimos, devem ser observados com atenção especial.



Comentários

  1. ronaldo cantão disse:

    muito bom

  2. Jessica disse:

    excelente

  3. Milena disse:

    Olá!
    Você poderia me passar as bibliografia citadas acima?

    Serra, Torres e Torres (2004)
    Maximiano (2006)
    Aaker (2007)

    Você tirou esses trechos de livros…..artigos..??!!

    Obrigada

  4. Filipe disse:

    Quais são as referências dos paragrafos:
    Poder de barganha dos compradores? e Poder de barganha dos fornecedores?

  5. Paulo disse:

    Ao citar autor, favor colocar a bibliografia no final do texto.

  6. Paulo disse:

    Pra vc, a palavra “favor” significa o quê? Pra mim ela tem um único significado.
    Pense.

  7. Paulo disse:

    No mais, muito bom o texto.

  8. Paulo, eu pensei bastante, vi que pediu por favor, mas não entendi seu propósito em pedir isso.

    Todas as frases que me embasei em outros autores eu os citei como fonte. Alguns no começo outros no final da frase (como prega a ABNT). Por isso, continuei sem entender o comentário, e por isso pedi para explicar melhor.

    Lembre-se que eu pensar não faz com que eu leia o seu pensamento. O problema pra mim não foi a palavra FAVOR (ela também acho que tem só um significado), mas sim o por quê do favor.

  9. maria auxiliadora disse:

    bem explicado

  10. Maicon disse:

    Como existe gente mal educada. O texto é simples, mas é bom. Para quem procura referências rápidas ajuda muito, porém cada trabalho deve pegar a ideia e desenvolvê-la. Agora… o cidadão entra, pega o texto (querendo o trabalho pronto) e depois reclama.

  11. aLEMÃO disse:

    foi de grande valia…

  12. Carlos disse:

    Muito bom otexto ajudou bastante
    Obrigado!

  13. Fabiana disse:

    Muito bom mesmo, Parabéns! Vc tem algum modelo do calculo de GE…

  14. jessica disse:

    Muito bom!
    Adorei, básico porém altamente informativo e compreensível.

  15. SAMARA disse:

    O texto é bom , objetivo ! parabén, agora o que eu fiquei mais impressionada é com pessoas que não tem o que fazer, pra ficar criticando o próximo , horas… se está reclamando faça MELHOR.

  16. Jorge Couto disse:

    Excelente! Um comentário: o que eu tenho notado na prática é que os concorrentes mais difíceis de competir são os “invisíveis” ou não tão óbvios. Dou um exemplo: um concorrente para a implantação de um novo sistema de informática numa empresa seria a equipe interna do Cliente, que apresentaria ao decisor as várias vantagens de um desenvolvimento “in-house”, que necessitariam ser identificadas e superadas por um fornecedor externo. Neste caso, seria um “Bem substito”?

  17. Paulo Vitor disse:

    Gostei muito do texto acima, mas tambem gostaria de saber como faço para adquirir o filme “Estratégia Competitiva”.

  18. Heloísa disse:

    Um texto simples e bem explicado !!!
    Ajudou muito para me basear ao fazer a revisão literaria do meu TCC
    Obrigada

  19. Heloísa disse:

    Gostaria da dica de algum livro e/ou site com informações de fonte segura
    para o tema: Posicionamento de marca
    Obrigada att

  20. Andrelina disse:

    adorei o texto muito bom!!!

  21. Jaqueline disse:

    Olá Corrêa, muito bom mesmo o texto, obrigada viu!!
    Parabéns!

  22. Elly Santos disse:

    São nos pequenos gestos e palavras que são esboçados o grau de compromitimento com os saberes e nível de compromisso e responsabilidade em partilhar conhecimentos. Parabéns,seu texto está bem compreensível obedecendo as regras da ABNT, muito bom mesmo.Gostei.Continue a trilhar por esse caminho que além de chegar longe, estará contribuindo com muitos individuos a atingir suas e metas e ao sucesso. PA-RA-BÉNS MESMO.

  23. Renata disse:

    Gostei muito do texto! Simples e direto, bem explicativo. Nos ajudou bastante! Obrigada!

  24. Gabriel Valadares disse:

    Fascinante!

    Estou no segundo semestre de Engenharia de Produção, e devo dizer que esse texto tem me ajudado muito muito a aplicar estratégias de competitividade nos projetos em grupo. Certamente, o conhecimento dessas forças Porter torna-se um diferencial entre os concorrentes.

  25. Marcio Cesar disse:

    Muito bom o texto, ajudou na aula.
    Parabens.

  26. Barbara Martins disse:

    Muito bom… ou pelo menos ajudou mto na minha pesquisa de mkt.

  27. […] mesmo autor afirma ainda que, para enfrentar as cinco forças competitivas em uma indústria, devem-se utilizar as estratégias genéricas citadas por ele. As estratégias […]

  28. Domicio Neto disse:

    Parabéns pelo texto.

    Muito bem explicado e melhor que o do Wikipédia 🙂

    Obrigado pela ajuda, agora as coisas ficaram mais claras para mim.

  29. […] Algumas situações corriqueiras para o “Mercado” eventualmente ainda me assustam e os meus resquícios do “romantismo” de atuar e criar uma maneira mais “humana” de se relacionar com os Negócios Tradicionais, me dificultam aceitar e aprender a contornar determinadas situações. Cito Algumas situações pelas quais já passei como canibalismo empresarial, concorrência desleal, corrupção empresarial, “esperteza” de mercado, passar por cima (e dar uma rasteira) em parceiros para conseguir fechar um negócio, propostas indecentes no esquema “Robin Hood” (tudo bem se fizermos algo contra nossa ética, mas legal do ponto de vista jurídico, “os caras lá” tem muita grana! Nem vão sentir falta…), barganha desleal (amigo Porter…). […]

  30. Rhenan disse:

    Amanha apresentarei meu TCC, sou responsável pela área “concorrentes”. Depois de muitas leituras, esse texto esta muito claro, de forma simples mas muito bem explicada. Obrigado

  31. Paulo Souza disse:

    Parabéns! Texto simples e claro (ambas características são virtudes, excelente pra explicar para executivos de outras áreas.

  32. Letícia disse:

    Muito boa iniciativa, não é facil encontrar sobre esse tema. Aqui foi um dos poucos locais que encontrei, e ainda bem esclarecedor e melhor que os outros . Obrigada Kenneth !

  33. Jeferson disse:

    Kenneth Corrêa, voce tem Doutorado? pois Poder de barganha dos compradores e Poder de barganha dos fornecedores, voce nao colocou referência, e para afirmar algo sem referência a pessoa OBRIGATÓRIAMENTE tem que ter Doutorado.
    Parabéns, excelente texto, porem se nao tiver Doutorado, precisa colocar as referências, mesmo que o texto seja indireto, pois de algum lugar voce tirou esta idéia, abração.

  34. Cleomilton disse:

    Agradeço pelas explicações claras e objetivas!

  35. Nathan disse:

    Olá, você não saberia citar as paginas de Aakon(2007, p. ??), Maximiano(2006, p. ??) e Serra, Torres e Torres(2004, p. ??).
    Muito bom o texto, foi muito util
    Att

  36. Mariana disse:

    Olá Kenneth,

    Achei a escrita bastante clara e objetiva. Como administradora um ponto que gostaria de colocar é para teoria como 5 forças do Porter, o link com cases é essencial para exemplificar o uso da teoria na prática já que para muitos setores a aplicação dos conceitos precisa ser interpretada de modo diferente. Concorda?

    Mariana

  37. Adriano disse:

    Boa noite! Muito bom! Preciso exatamente do que foi citado para conseguir um bom resultado em um teste de Administração que farei amanhã (16-06-2012) !!!!!!

    Muito obrigado por ter dedicado o SEU tempo para nos prestar um FAVOR ( com um só significado)!

  38. marcos disse:

    gostei muito me ajudou batante parabens

  39. Marcelo disse:

    Excelente texto, como poucos na internet o conteudo realmente server para dirimir duvidas.
    A unica coisa ruim e perceber que pessoas como o Jeferson e o tal do Paulo perdem tempo fazendo afirmações vazias e verdadeiras punhhetas em dinossauros… Jeferson Paulo gastem um tempo tentando pegar mulhher seuss boossstassss.

  40. Marcos Paulo disse:

    Gostei; ajudou numa disciplina da minha pós em segurança do trabalho e meio ambiente.

  41. Nathalia disse:

    Pessoal, preciso de uma grande ajuda, alguem sabe me dizer porque Porter é considerado ícone das estratégias??
    Obrigado

    • Olá Natália,

      Provavelmente pela publicação de seus dois livros que foram base técnica para planejamentos da década de 80 até hoje em dia: Vantagem Competitiva e Estratégia Competitiva.

      Uma das principais contribuições dele é o modelo citado acima.

  42. David Husadel disse:

    Kenneth, texto bem sintetizado , pratico e funcional. Obrigado.

  43. Huarley Lemke disse:

    Parabéns Kenneth Corrêa pelo texto. Gostaria de sugerir e pedir, caso fosse possível, referenciar no final do texto suas bibliografias. Achei interessante algumas citações, mas por falta da referência no final, não consegui localizar as obras. Obrigado.

  44. Cristiane disse:

    Olá pessoal,preciso de exemplos dos 5 poderes.

    Desde já,obrigada.

  45. nivaldo disse:

    Li sobre Porter, mas ate agora não entendi o que é Modelo das 5 Forças de competitivas de Porter. Como ele funciona ? e o que ele explica sobre vantagem competitiva.
    valeu!!

  46. Joana disse:

    Gostaria de saber sobre a bibliografia utilizada que não foi informada.

  47. Fernanda disse:

    Olá Kenneth Corrêa, eu gostaria de saber quais são as Vantagens e Desvantagens dessa ferramenta das 5 forças de Porter, e a explicação.
    Agradeço desde já.

    Att. Fernanda.

  48. Renilson Santana disse:

    Parabéns Kenneth pelo artigo publicado seu trabalho me ajudou muito esclarecendo pontos importantes das Estratégicas Genéricas de Michael Porter.

  49. Leila Parruque disse:

    Mto Bom artigo! Cpts de Mozambique

  50. Elizabeth Alves disse:

    Parabéns, foi a melhor informação que encontrei para ajudar na minha fundamentação.

    Obrigada.

  51. Karine Inácio disse:

    Olá Kenneth Corrêa,

    Gostaria de saber qual dessas forças tem uma intensidade menor de impacto nas instituições superior???

    Desde já agradeço.

  52. Luiz Antonio Kélémen disse:

    Obrigado aos criadores deste portal, pois estou fazendo curso de Pós-Graduação à distância, aqui na cidade onde moro, na Uninter de Botucatu e realmente, não havia entendido muito bem, o significado das 5 Forças de Michael Porter.
    Vocês me recomendariam algum livro que trata bem deste assunto de forma clara e sem muita complicação na explanação das ideias.
    Atenciosamente,
    Luiz Antonio Kélémen
    Administrador pela FMU
    Pós Graduado em Estratégias Administrativas pelo grupo Uninter

  53. […] Porter. Eu mesmo já escrevi neste blog dois artigos sobre ferramentas e modelos criados por ele (modelo de 5 forças e estratégias genéricas), além de já ter lido 2 livros dele. Comecei assustado com os primeiros […]

  54. Cristina Souza disse:

    Por favor, você poderia me ajudar a identificar os limites potenciais no uso de informações como parte de uma estratégia competitiva.

    Aguardo sua resposta.

    Obrigado.

  55. Alaor Simao Leiria disse:

    Gostaria de receber um modelo de planejamento estrategico editavel para que eu possa adequa-lo na minha empresa.
    Atenciosamente
    Alaor

  56. FERNANDO CAMARGO disse:

    OLA KENNETH, PARABÉNS PELA PÁGINA. ESTOU INICIANDO UM PROJETO REFERENTE AO DESENVOLVIMENTO DE UM SERVIÇO CUJA FERRAMENTA É O BIG DATA. COMO VC ACHA QUE AS FORÇAS DE PORTER PODERIAM ME AUXILIAR COM RELAÇÃO AO ASSUNTO BIG DATA, RELATIVAMENTE AINDA POUCO EXPLORADO NO PAÍS. OBRIGADO

  57. Fernando Henrique de Oliveira disse:

    Bom dia,

    Gostaria da ajuda do autor do conteúdo: Quais análises ambientais devem ser feitas para uma empresa entrar em um novo segmento (indústria) segundo Porter?
    Agradeço se puder responder.

  58. Izilda Candido da Cruz e Souza disse:

    Professor, gostaria que o Senhor avaliasse minha resposta à seguinte questão:Explique o modelo Michael Porter, ao qual respondi da seguinte forma:
    “É um modelo que consiste na analise do grau de atratividade de um setor da economia, identificando um conjunto de cinco forças que afetam a competitividade
    no ramo dos negócios, com a finalidade de desenvolver estratégias de trabalho”
    Tirei zero, nessa resposta numa prova e acabei ficando de DP. Estou inconformada! Ainda que ela não esteja totalmente correta na opinião do meu Tutor, creio que também não está totalmente errada para ser avaliada com zero. Minha prova é nessa próxima semana. Grata, se puder me orientar.

  59. Aline disse:

    Gostaria de uma ajuda, estou fazendo TCC no faculdade, gostaria de saber o “ano é 2006 e pág?”

    Onde o autor Maximiano diz:

    O entendimento das forças competitivas de um ramo de

    fundamental para o desenvolvimento da estratégia.

    Pode me ajudar?

  60. Heuder Savarez disse:

    Você faz referência a várias obras, mas não disponibilizou bibliografia.

  61. Cici disse:

    Acho que você deveria colocar a fonte de onde tirou as informações porque fica parecendo que copiou de algum trabalho

  62. jackeline matos silva disse:

    As empresas podem controlar os seis fatores da análise do ambiente externo?

    • Olá Jackeline, tudo bem? Com relação aos seis fatores, alguns podem ser controlados, outros não, mas vai depender de cada contexto, cada situação. O importante é você gastar tempo analisando a influência deles, para identificar as oportunidades e ameaças de cada fator, e ao mesmo tempo analisar seu potencial de influenciá-los.

  63. Jackson disse:

    Prezado Kennedy, com base nas Estratégias em Nível de Negócio propostas por Michael Porter, quais empresas atuantes no mercado atual poderiam servir de exemplos para cada um dos quadrantes ?

    Att.

    Jackson

  64. ANTONIO FRANCISCO FERREIRA DE CASTILHO FILHO disse:

    Bom texto, resumido, mas direto nos pontos mais importantes, no entanto notei uma ausência importante: salvo engano, você não tratou mais detalhadamente do Poder de Barganha dos Clientes e isso é bem importante. Se complementar neste ponto, creio que estará ainda melhor

Comente





Posts Relacionados

  • Diferenciação de produtos e serviços: dica para negóciosDiferenciação de produtos e serviços: dica para negócios O momento parece propício para propor a diferenciação de produtos e serviços e, conquistar o cliente pelas características únicas do seu negócio. Se por um lado, pode afastar propects que […]
  • Análise do Ambiente Competitivo GlobalAnálise do Ambiente Competitivo Global Maximiano (2006) define que "o entendimento das forças competitivas de um ramo de negócios é fundamental para o desenvolvimento da estratégia". E para Serra, Torres e Torres (2004), uma […]
  • Estratégias Genéricas de Michael PorterEstratégias Genéricas de Michael Porter UPDATE 15/05/2011: Veja o vídeo com explicação sobre o modelo de estratégias genéricas de Michael Porter: Segundo Michael Porter (1986), as empresas geralmente possuem uma estratégia, […]
  • Estratégia Genérica de DiferenciaçãoEstratégia Genérica de Diferenciação A segunda estratégia genérica segundo Porter (1986) consiste em “diferenciar o produto ou o serviço oferecido pela empresa, criando algo que seja considerado único, no âmbito de toda a […]
  • Estratégia Genérica de CustoEstratégia Genérica de Custo Michael Porter (1986) afirma que a estratégia de liderança pelo custo total consiste em atingir a liderança total em um setor, através de uma série de políticas orientadas para atingir […]
  • Estratégia Genérica de FocoEstratégia Genérica de Foco Para Michael Porter (1986), a estratégia de foco (ou enfoque, como na tradução oficial) significa enfocar em um determinado grupo de clientes, um segmento de produtos, ou um mercado […]