Motivação

Categoria: Módulo I - Conceitos | 26.12.2009 | 1 comentário



Mesmo considerando que o comportamento e percepção variam conforme cada indivíduo, ainda devemos estudar o princípio da motivação, as três premissas que explicam o comportamento humano e também as hierarquias das necessidades básicas que o ser humano busca para satisfazer-se.

Logo nas primeiras linhas do texto: além do princípio do prazer de Freud (1920), o célebre autor já comenta que na teoria psicanalítica a compreensão do comportamento humano e sua motivação ocorrem através do curso tomado pelos eventos mentais que automaticamente buscam o princípio do prazer, ou seja, o indivíduo busca relacionar e regular o prazer e o desprazer reduzindo ou equilibrando a quantidade de excitação que se encontra vinculada na mente.

Para lidar com o desprazer, muitas vezes, a pessoa recorre a mecanismos de defesa psicológicos como: a negação, projeção e recalcamento. O princípio do prazer é uma tendência que opera a serviço de uma função, sendo sua misão, libertar aparellho psíquico das exitações e ou mantê-las em níveis baixos.

Chiavenato (1998) explica que as pessoas são diferentes no que tange a motivação, sendo que as necessidades variam de indivíduo a indivíduo, e com isso cada um estabelece o seu próprio padrão de comportamento; contudo, o processo que resulta a motivação é o mesmo para todas as pessoas.

O  ciclo motivacional surge com uma necessidade. A necessidade pode ser considerada uma força dinâmica e persistente que provoca o comportamento. A cada necessidade emergente, há também um rompimento do equilíbrio do organismo, que causa um estado de tensão. A conseqüência do estado de tensão é o comportamento ou uma ação que é capaz de livrar o desconforto. Quando satisfeita a necessidade, o organismo volta a um estado de equilíbrio. (Chiavenato, 1998).

Maslow (1954) apud Moscovici (2002) caracterizou as necessidades básicas como um dos aspectos da motivação humana. O autor estabeleceu distinções entre motivação de crescimento e motivação de deficiência.

Para o mesmo, motivação de deficiência constitui carências no indivíduo tem, e que precisam ser supridas por outras pessoas. O homem não alcança um estado de satisfação global, pois assim que satisfaz um desejo, logo surge outro em seguida.

As necessidades básicas são concebidas por organizadas categorias em uma hierarquia. As necessidades fisiológicas constituem a base da motivação humana, sendo primordial e essencial a sua satisfação. O próximo patamar hierárquico é a necessidade segurança, que um indivíduo recorre quando está razoavelmente satisfeito quanto as suas necessidades fisiológicas.

Desejo em ter trabalho fixo, rotina e estabilidade são aspirações que uma pessoa adulta busca para satisfazer a sua segurança. Após as necessidades fisiológicas e as necessidades de segurança garantidas, o indivíduo quer a satisfação de afeto e amor, quer pertencer a grupos e ser socialmente adaptado. O patamar acima é referente a estima e status, a pessoa nessa fase tem desejos de realização, força, competência confiança e almeja reputação e reconhecimento.

Com as necessidades fisiológicasde segurançaafetoestimasatisfeitas, surge a necessidade mais elevada, a de auto-realização, o indivíduo nesta etapa tem o que precisa e conquistou o que desejava. (MOSCOVICI, 2002)

As necessidades básicas podem variar a posição da hierárquica em indivíduos diferentes, portanto muitas vezes não segue a hierarquia de forma rígida. Existem pessoas em que a necessidade de estima é maior que a necessidade de amor. O surgimento da necessidade é um processo gradativo e cíclico, na medida em que outras necessidades são realizadas. A satisfação equilibrada das necessidades básicas na infância garante um desenvolvimento normal, uma personalidade estruturada e sadia e ainda, resistências as frustrações. (MOSCOVICI, 2002)

Já a motivação de crescimento não depende de fatores externos para sua realização, porém as necessidades básicas são pré-requisitos para seu desenvolvimento. A motivação de crescimento é considerada como a capacidade de evolução de algumas características pessoais, em que algumas pessoas desenvolvem como: talentos especiais, criatividade, potencialidades.

Existe uma diferença qualitativa que distingue os indivíduos que agem para satisfazer as necessidades de deficiência dos que são motivados pela necessidade de crescimento.

Pirâmide da hierarquia das necessidades de Maslow

Figura 2 – Hierarquia das necesidades básicas

Fonte: Adaptado Maslow (1954) apud Moscovici (2002)



Uma Comentário

  1. […] motivação tem importância decisiva para o bom desempenho de uma equipe. Motivação é a força que nos […]

Comente





Posts Relacionados

  • Teoria da Dissonância Cognitiva de FestingerTeoria da Dissonância Cognitiva de Festinger A Teoria de Festinger basea-se na premissa de que toda pessoa tenta manter um estado de consonância, ou seja, de consistência cognitiva. Toda pessoa tenta estabelecer uma coerência entre […]
  • A Teoria de Campo de Kurt LewinA Teoria de Campo de Kurt Lewin A teoria de Kurt Lewin, um dos primeiros psicólogos a estudarem as organizações, explica que os padrões de comportamento são decorrentes das interações e das influências que o indivíduo […]
  • Competências Comportamentais para uma EquipeCompetências Comportamentais para uma Equipe Definindo as competências As habilidades de trabalho em equipe entram em pauta sempre que as pessoas executam tarefas em conjunto, visando uma meta comum, seja num grupo informal de três […]
  • Como trabalhar as diferenças individuais em uma equipeComo trabalhar as diferenças individuais em uma equipe O homem é um indivíduo complexo com relação à sua natureza, às suas características, às suas múltiplas necessidades e potencialidades, como também é singularmente diferente de seus […]
  • MotivaçãoMotivação É a arte de levar pessoas a fazerem o que você quer que elas façam por vontade delas. Motivar alguém e conectá-lo com algo dentro dele, que o impelirá a agir. A motivação começa em […]
  • Definição de Expectativas e Papéis na EquipeDefinição de Expectativas e Papéis na Equipe Definição de papéis No funcionamento da equipe, diversos papéis são desempenhados por seus membros, com maior ou menor constância. O gerente tem um papel bastante diferenciado dos demais […]